Extrato de tomate da marca Quero. (Foto: Reprodução/Quero)  BRASIL – A Agência Nacional de Vi…

Extrato de tomate da marca Quero. (Foto: Reprodução/Quero)
 
BRASIL – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distribuição e a venda de um lote de extrato de tomate da marca Quero, produzido pela Heinz Brasil, em Goiás, de acordo com resolução publicada no “Diário Oficial da União” desta segunda-feira (20).
De acordo com a agência, o laudo da análise do produto apontou que foi detectada “matéria estranha indicativa de risco à saúde humana, pelo de roedor, acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente”. O número do lote é L 11 07:35.
A resolução determina que a empresa recolha o lote de todo o estoque existente no mercado.
Em nota, a Quero Alimentos informou que, em total respeito ao consumidor e à Anvisa, já tomou as providências aplicáveis para retirar todo o referido lote do mercado em agosto de 2016.
“Nos últimos anos, fez grandes investimentos em novas tecnologias para aumentar ainda mais a qualidade do tomate no campo e de seus produtos, e grandes progressos foram alcançados.”
Em 2013, a Anvisa decidiu que um lote do ketchup da empresa Heinz deveria ser interditado em todo o país. O caso teve início quando a Vigilância Sanitária de São Paulo determinou a interdição do lote com base em laudos que apontaram a presença de pelos de roedores no produto. A decisão da Anvisa acompanha a medida tomada pela vigilância estadual.
Três anos depois, a Anvisa proibiu a distrição e venda em todo o país de um lote de extrato de tomate da marca Heinz, porque foi encontrado pelo de roedor em amostras do produto. A medida previu que a empresa recolhesse o extrato contaminado do estoque que estivesse à venda no no mercado.
 Via G1