Brasileiro não tem nenhum antecedente criminal e enfrenta problemas de saúde

                                                         Nestor Marchi luta para não ser deportado

DA REDAÇÃO, COM PORTAL NEWS 2 – No próximo dia 15 de junho, o brasileiro Nestor Marchi vai voltar definitivamente para o Brasil, depois de receber uma ordem de deportação do U.S. Immigration and Customs Enforcement (ICE). Nestor mora em Greensboro, Carolina do Norte, há 22 anos e não cometeu nenhum crime.

Ele permaneceu nos EUA após o vencimento do visto de turista e começou a trabalhar como mecânico aéreo. Em 2004, ele foi preso durante uma batida migratória ocorrida no ambiente de trabalho. O Departamento de Segurança Nacional (DHS) pediu a Nestor que ele denunciasse fraudes e abusos que ocorressem na indústria aérea. Ele concordou e, então, o governo americano concedeu-lhe a permissão de trabalho.

Entre 2005 e 2012 Marchi compareceu ao escritório do Departamento de Imigração uma vez a cada 30 dias. Depois de 2012, ele passou a comparecer anualmente. Ele teve que informar qualquer mudança de endereço, entretanto, em abril de 2017, o brasileiro teve a permissão de trabalho negada e foi notificado que deveria deixar os EUA até 15 de junho.

“A vida terminou para mim, pois estando aqui há tanto tempo eu simplesmente tento ser americano agora”, relatou.

Nestor espera que as autoridades lhe deem mais tempo, pois ele sofre de insuficiência cardíaca congênita e outros problemas de saúde. O brasileiro e o filho Andy Marchi, que é bombeiro, temem que sistema de saúde lento do Brasil o deixe sem a consulta a um médico por até 1 ano e Marchi não resistiria a isso.

O advogado de Nestor, Jeremey McKinney, tenta junto à chefia do ICE atrasar a deportação do cliente para que ele possa melhorar a saúde.

Marchi acredita que, se as autoridades prestarem atenção melhor em sua saga, talvez o concedam uma segunda oportunidade. “Eu penso que as pessoas deveriam ser mais humanas, mais compreensivas, caso a caso, por que? Verificar se é verdade; é isso o que eu estou pedindo”, disse ele.

A única chance de Nestor se legalizar, é pelo filho que vai se tornar cidadão em até três anos, mas Nestor, porém, terá que cumprir um castigo de dez anos por ter ficado ilegal no País.

Nestor espera melhorar a saúde para que um dia ele possa retornar aos Estados Unidos e permanecer junto à sua família. “Conseguir algo que me mantenha vivo, pois eu quero voltar, eu quero voltar e ver o meu filho. Eles (o filho e a nora) estão falando sobre crianças e eu quero ver os netos”, concluiu Marchi.

Um porta-voz do ICE disse ao portal News 2 que qualquer pessoa que esteja ilegal nos EUA é passível de ser removida do País. “Todas as violações de leis imigratórias estão sujeitas a deportação”, informou o ICE.

Fonte:http://www.acheiusa.com/