Estivemos presente em 02/06/2017, na Formatura dos novos Sargentos da Marinha do Brasil

O  Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA)  tem sua origem no Quartel de Marinheiros  (QM), que foi criado pelo Decreto nº 49 do Governo Imperial, de  22 de outubro de 1836. Recebeu, ao longo de seus anos de existência, diversas denominações, desde “Quartel das Companhias  Fixas  de  Marinheiros”,  do  “Corpo   de  Marinheiros  Imperiais” e do  “Corpo de Marinheiros  Nacionais”  a  “Quartel  Central de Marinheiros”. Teve  várias sedes: Fragata Imperatriz”, Fragata  “Campista”, Fragata “Príncipe Imperial”, Corveta “Liberal”, Ilha de Villegagnon e Ilha das Cobras. Funcionou, ainda, a bordo do Encouraçado “Floriano”, Cruzador “Barroso”, Tender “Ceará” e, novamente, na Ilha das Cobras. Em 1º de fevereiro de 1958, o QM foi instalado na atual sede do Rio de Janeiro. Em 19 de outubro de 1987, o Decreto nº 95.057 atribuiu ao Quartel de Marinheiros nova missão, integrando-o ao Sistema de Ensino Naval e determinando que incorporasse o Centro de Instrução Almirante Cunha Moreira (CIACM), cujas instalações localizavam-se em terreno atrás do QM.       O Decreto de 13 de maio de 1993 alterou sua denominação para Centro de Instrução Almirante Alexandrino – (CIAA), atribuindo-se o nome Quartel de Marinheiros à Superintendência responsável pela formação dos reservistas navais, incluída no organograma do CIAA.       Subordinado à Diretoria de Ensino da Marinha, o CIAA é comandado por um Oficial-General, que é auxiliado por um Imediato e assessorado por um Conselho de Ensino, um Conselho Econômico e um Conselho Administrativo.    Hoje, o Centro de Instrução Almirante Alexandrino, cujo lema é “ENSINO, PROFISSIONALISMO E MODERNIZAÇÃO DA NOSSA MARINHA”, é uma Organização que se dispõe a fazer o melhor, utilizando pessoal dedicado e empregando recursos modernos, a fim de atingir a sua meta dentro das diretrizes atribuídas pela Administração Naval, tornando-se assim o maior e mais diversificado Centro de Formação de Praças da Marinha do Brasil.corpo D21

 

Os cabos que se formam hoje, oriundos das mais variadas especialidades técnicas, receberam, neste Curso Especial de Habilitação, instruções teóricas e práticas que os capacitam, a partir de agora, a comporem a relação dos militares que serão promovidos a Sargento na Marinha do Brasil. As atividades profissionais desempenhadas pelas praças têm facetas variadas, que se complementam e vão desde as mais cotidianas até as de manutenção de sistemas complexos de diversas naturezas. Todas essas funções, tanto as de apoio quanto as de combate, são imprescindíveis para a Marinha no exercício de sua missão constitucional com excelência e profissionalismo. A proteção de nossa fronteira marítima demanda a combinação da qualificação de nossos quadros com o esforço de reaparelhamento de nossa Marinha.

Essa diversidade de especialidades, todas fundamentais para a fiscalização e para a proteção de nossa extensa e rica Amazônia Azul, é muito importante.

Estou certo de que todos aqui dimensionam bem a inestimável contribuição que as mulheres podem dar para nossa Defesa, tanto as praças quanto as oficiais – como é o caso da Almirante Dalva, a primeira e, até o presente, única mulher oficial general das Forças Armadas brasileiras.

Espero, ainda, que a coragem dos heróis de Riachuelo, como o guarda-marinha Greenhalgh e o marinheiro Marcílio Dias, possa ser o farol de suas vidas profissionais quando os mares porventura estiverem encapelados.

 

Compartilhamos da alegria e do orgulho de todos os familiares e amigos aqui presentes, ao testemunhar a conquista de mais uma importante etapa nas carreiras dos formandos de hoje. Muito obrigado a todos e parabéns aos formandos.

Mauricio Sabóia e Antonio Assunção. ( Colaboradores).